Der Traum

O sonho

Há um sonho que nunca me deixou. Escrevê-lo-ei aqui.

O sonho começava comigo já com a consciência do que eu era naquele mundo: um dos líderes da maior facção criminosa e, apesar de o mais novo, eu era o mais perigoso. De algum modo eu fiquei sabendo que a CIA viria atrás de mim naquela madrugada. Isso acontecendo no condomínio em que moro mesmo. Então eu pus uma armadilha de urso no último degrau da escada e me escondi atrás da mureta que separava a escada e o lugar em que eu estava. Pois bem, chegada a hora, eu ouço o pessoal da CIA entrando no condomínio. O líder deles assim que entrou ficou distraído com algum negro de chapéu e sobretudo – estava fria aquela madrugada. O resto continuou sem o líder. Assim que o primeiro deles foi pego na armadilha de urso, tirei a faca de minha cintura, empurrei-o em cima dos outros homens e então deslizei minha faca na garganta de todos, esperando acertar suas carótidas. Ao fim da escada eu parei e vi uma criança num uniforme da CIA, com um fuzil na mão. O uniforme, naturalmente, ficara grande nela. Ela estava tremendo e me olhando. Botei o gume para baixo e pulei os degraus que faltavam até chegar a ela. Seu olhar me perseguiu o momento todo, nunca o mudando. Enfiei a faca em sua cabeça, atravessando o capacete. Escorreu uma lágrima em que pude ver meu reflexo – meu rosto estava coberto com seu sangue… e eu sorria. Deixei a faca ali. A criança caiu, os olhos cheios de sangue, mas… eles ainda me olhavam. Deixei-a ali e fui para o líder, logo quebrando-lhe o pescoço. O negro gordo era um dos outros líderes, ele sabia que viriam atrás de mim, então quis me ajudar. Levantou e abaixou o chapéu como sinal de cumprimento, sorrindo. Dei por costas e fui pra casa. Entrei no banheiro e joguei um pouco de água no rosto. Logo vi meus olhos ensanguentados, mas não eram os meus, eram os daquela criança. Uma ilusão apenas. Fui ao quarto da minha avó e vi a pilha de quatro pessoas mortas ali: minha avó, avô e primas. Fechei a porta. Apaguei – acontece que haviam pessoas da CIA infiltradas em minha casa. Acordei em um lugar escuro. Levantei-me e olhei para os lados. Direita, totalmente escuro. Esquerda, com uma luz distante. Fui à luz. Um lugar como um coliseu, muitas pessoas gritando. Havia uma mesa ao centro com três homens de estatura pesada, com roupas pretas – daquelas típicas de juízes.

E acabou.

Anúncios
Esta publicação foi postada em Sven e marcada .

Comentem!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s