Verlauf der Augenblicke

Paul Lecomte - Paysage au moulin

Passagem dos instantes

O Sol por trás das nuvens tem roxo à sua volta. É tudo um espetáculo tão visível, que não temo pela saúde de meus olhos que o olham com a grande felicidade de fazer o que devem e me mostrar o real do momento. Há, decerto, tantas coisas na Terra, e que apenas aqui podem existir por não existir outra, inacreditáveis e balbuciantes, capazes de nos jogar numa solidão insular no mais remoto e movente recôndito cósmico, onde há a mais profunda e terrível consciência de não poder jamais estar com alguém, que o que resta é a mais simples inocência de existência. Tendo experienciado, não me sinto triste nem angustiado por não saber nem poder transpor pro papel todas as minhas sensações que sei ter quando vivo, afinal, não transcrevo minha vida, mas qualquer coisa que possa potencializar minha vivência, sensacionar outra coisa. Após o que tive em toda extensão de minha vida de durações, que sempre parece ter sido maior, mais longa, do que efetivamente foi, pois tenho a idade do que gozo em tudo que posso nela, não consigo pensar que algum dia serei capaz de abolir a jovialidade de meus sentidos que nada mais são que a singela alegria minha afirmada e, por isso, transrealizada de tudo o que me compõe. Quando choro, é ela que age. Não por seu intermédio, mas com ela que se me tudo torna possível, ainda que nas impossibilidades. Envolto em mim, minha pele, é algo como uma esponja de não sei que cor, já que não me vejo, que suga toda vida que não é minha e me permite tê-las espasmodicamente com o disfarce de doença. Os erros da ciência se tornam como que minha saúde. E, aos poucos, sinto que cada parte de mim se une numa unidade discordante, cada uma recebe algo que simplesmente acontece. Surpreendo-me com a serenidade de tudo isso em mim, como se visse em uma tarde fresca e de céu limpo através dos galhos pouco folhados da árvore sob a qual passa a Lua.

Anúncios
Esta entrada foi postada em Sven.

5 comentários em “Verlauf der Augenblicke

  1. Ana Idris disse:

    Fiquei sem palavras para a beleza deste texto!

  2. Somos criadores, portanto creio que a melhor forma é criarmos saúde. E, se criarmos saúde, não teremos que prevenir nem combater a enfermidade, porque seremos saúde.

Comentem!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s