Leben und Sterben

Quantos caminhos ainda será necessário percorrer pra que esteja eu satisfeito comigo mesmo? Quantas palavras a mais, ditas por mim mesmo, tentarão definir-me na tentativa de enquadrar-me nas minhas aspirações de perfeição? Que quero eu de mim? Que quero eu saber daquilo que não preciso saber? A vida é um labirinto sem saída. Percorremos desesperados os sons que escutamos, as imagens que não podemos ver mas que acreditamos existir, na tentativa de escaparmos de nós mesmos. Talvez, ainda, sejamos o próprio labirinto. Passamos a vida inteira tentando entender a nós mesmos, tentando sair de dentro de nós mesmos para nos enxergarmos de fora sob as mais diversas perspectivas. Eu me pergunto, inconformadamente. Que quero eu saber de mim mesmo? Preciso justificar aquilo que é justo, simples e justamente por existir? Eu, às vezes, procuro sentir como uma criança, não com ingenuidade ou coisa que o valha, mas com a leveza e os olhos delas, a examinar, e a examinar novamente, e a continuar examinando algo, até o momento do desinteresse, abandono e esquecimento completo da experimentação do exame. Eu, ainda, às vezes, procuro sentir como um gato domesticamente sociável, que é indiferente aos cenários insignificantes a sua volta, mas que instintivamente é astuto com as suas demandas mais prementes. Eu, às vezes, só procuro sentir, e às vezes, por ironia, só procuro não sentir. Procuro ainda não ser tão primitivo, controlar meus impulsos doentios e animalescos. Sou um humano doente certamente. Não por escolha, ou por seja lá quais motivos. Mas por consequência de todos os milênios de meus antepassados doentes. Quem somos afinal? Continuar lendo

Kindesgefühl

Sentimento de criança

Eu queria levar uma vida solitária em uma cabana ou chalé em uma montanha gelada e coberta por neve. Esse poderia ser meu objetivo para uma década vindoura. Queria livrar-me da sucessão de imagens repetidas ao longo do dia, livrar do cenário velho e cansativo, dos rostos pálidos de zumbis produtivos e incansavelmente tagarelas. Pensado isso, abstraio daí o sentimento que me invade, a paz montanhesca, o frio aconchegante, o calor de uma roupa pesada que aqueça meu corpo, o bem estar de um gole de chocolate quente, a companhia de um livro e uma bela e confortável poltrona ao lado de uma janela com vista para a paisagem alva. As suas variantes também são belas imagens que permeiam minha imaginação, a tristeza momentânea que em certos tempos nos assolam ao olhar atento ao redor e a ausência de vida constatada. Ah, são tantas! Quão belas me parecem. Não merecem ficar expostas no papel. A vida é algo fascinante. Pensar na vida me deixa paralisado. Pensar e fazer uma retrospectiva de sensações, emoções e sentimentos de outrora ao mesmo tempo em que me tira o fôlego e me proporciona certa felicidade, tanto pelos bons momentos, quanto pelos momentos superados, me deixa angustiado por motivos escusos. E o que falar dos sentimentos primeiros, quando ainda nossos olhos são pueris e atentos a tudo quanto é novo? Que coisa bela, de verdade. Há algo mais fascinante que a descoberta infantil das coisas? Há algo mais extraordinário do que a meninil e neófita sede pelo novo de uma criança? Há algo mais fascinante do que aprender? Aprender com os olhos curiosos de criança, sem o lodo que nós que nos consideramos adultos carregamos em maiores ou menores quantidades conosco. Como se livrar do lodo sem aprender a desaprender? Continuar lendo

Mensch

Humano

Você estava ali esperando para ser um joguete. E todas as circunstâncias estavam ao meu favor. Tão esperta e tão inocente ao mesmo tempo. Brinquei como uma criança. Não por maldade ou perversidade, mas sim por pura diversão e prazer. Está tudo na minha mente, e mesmo que eu queira nunca será apagado. Olhos imaginários que me escrutam. Perdoe-me consciência doentia. Culpar-me-ei de quê? De ter vivido? De ter experimentado e ter dado liberdade a minha vontade? Por ser humano?