Leben und Sterben

Quantos caminhos ainda será necessário percorrer pra que esteja eu satisfeito comigo mesmo? Quantas palavras a mais, ditas por mim mesmo, tentarão definir-me na tentativa de enquadrar-me nas minhas aspirações de perfeição? Que quero eu de mim? Que quero eu saber daquilo que não preciso saber? A vida é um labirinto sem saída. Percorremos desesperados os sons que escutamos, as imagens que não podemos ver mas que acreditamos existir, na tentativa de escaparmos de nós mesmos. Talvez, ainda, sejamos o próprio labirinto. Passamos a vida inteira tentando entender a nós mesmos, tentando sair de dentro de nós mesmos para nos enxergarmos de fora sob as mais diversas perspectivas. Eu me pergunto, inconformadamente. Que quero eu saber de mim mesmo? Preciso justificar aquilo que é justo, simples e justamente por existir? Eu, às vezes, procuro sentir como uma criança, não com ingenuidade ou coisa que o valha, mas com a leveza e os olhos delas, a examinar, e a examinar novamente, e a continuar examinando algo, até o momento do desinteresse, abandono e esquecimento completo da experimentação do exame. Eu, ainda, às vezes, procuro sentir como um gato domesticamente sociável, que é indiferente aos cenários insignificantes a sua volta, mas que instintivamente é astuto com as suas demandas mais prementes. Eu, às vezes, só procuro sentir, e às vezes, por ironia, só procuro não sentir. Procuro ainda não ser tão primitivo, controlar meus impulsos doentios e animalescos. Sou um humano doente certamente. Não por escolha, ou por seja lá quais motivos. Mas por consequência de todos os milênios de meus antepassados doentes. Quem somos afinal? Continuar lendo

Anúncios

Gott

Deus

– Minha expectativa de vida? Morrer.

Onde será nosso lar eterno? Dentro de uma cova? No paraíso?

Que me importa o que vem depois que minha vida acabar?

Que me importa onde estava eu antes de minha vida começar?

Não vou e não vim de lugar algum.

Estou sendo (irônico).

Perdoe-me deus, seu bundão.

Não precisamos de você.

E nem te queremos.

Tu te findas quando findamos nós.

O que fica é apenas tua fama.

Que aos poucos vai enfraquecendo e perdendo valor.

Bundão por excelência.